quinta-feira, 14 de junho de 2012

COPA LIBERTADORES 2012 - SEMI FINAL - SANTOS X CORINTHIANS



Santos 0 x 1 Corinthians – Vila Belmiro, Santos (SP)


Retaguarda sólida como rocha e golaço do Emerson “Sheik” fazem Corinthians bater o Santos na Vila Belmiro.

O mais que imprevisível retorno de Ganso, após menos de 20 dias de uma artroscopia no joelho, era o que mais chamava a atenção no onze inicial do Santos que Muricy Ramalho organizou no 4-3-1-2 com: Rafael; Henrique, Edu Dracena, Durval e Juan; Elano, Adriano e Arouca; Ganso; Neymar e Alan Kardec. Novamente sem centroavantes de ofício, o Corinthians, dono de uma defesa que iniciava a partida com apenas dois gols sofridos no torneio, foi esquematizado pelo Tite no 4-4-2 com: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Jorge Henrique, Paulinho, Ralf e Emerson; Danilo e Alex.

O grande destaque do 1º tempo na “Vila Mais Famosa do Mundo” não vestia uniforme nem calçava chuteiras. Foi um destaque abstrato, imaterial: a dedicação tática corintiana. Sem nenhuma exceção, todos os jogadores do “Timão” tinham o conhecimento profundo do seu papel em campo, o ofensivo e, principalmente, o defensivo, e o executavam com imensurável vontade. Foi assim que, durante a etapa inicial, o Corinthians não deixou o Santos se sentir em casa na lotada Vila Belmiro e fez do jogo o seu jogo. Marcou no campo de ataque, marcou no meio de campo, marcou no seu campo, e, aos 22 minutos, viu Emerson completar com perfeição uma escapada do melhor volante do futebol brasileiro, Paulinho. Para não dizer que o “Peixe” nada fez, o Elano cruzou um punhado de bolas inofensivas na área rival e, aos 42, o Juan conseguiu um bom lance pela esquerda.

Muricy Ramalho deve ter cuspido abelhas africanas no vestiário, pois seus comandados voltaram bem mais ligados para a 2ª etapa. E como o Corinthians recuou suas linhas de marcação, o Santos aproveitou para se plantar no campo de ataque. Em 10 minutos, o substituto do Elano, Borges, por duas vezes, e Durval quase empataram o placar, mas, logo após, o Corinthians voltou a tirar a energia ofensiva do confronto. Energia que tinha tudo para voltar a partir do minuto 31, quando Emerson, a única arma corintiana posicionada para os contra-ataques, foi expulso. Ato quase contínuo, um cruzamento do Kardec e uma bomba do Juan defendida pelo Cássio, que já havia evitado uma cabeçada do Castán contra o prórpio patrimônio, fizeram o torcedor santista arredondar a boca para gritar gol, mas, aí, a energia que acabou foi a dos refletores da Vila.

Após quase 20 minutos de pausa, a partida retornou sem lances dignos de nota, e o apito final decretou o triunfo da organização tática corintiana. Muitos vão gritar que o Santos, mesmo com Neymar e Ganso em jornadas sem inspiração, merecia a vitória pela sua estratégia ofensiva. Contudo, para vencer no futebol o que vale é a justiça dos gols, e o do Emerson “Sheik”, por sinal, foi belíssimo.

Um comentário:

  1. Olá!

    Podemos fazer uma troca de links entre blogues por favor?

    O meu é: http://davidjosepereira.blogspot.pt/

    Muito Obrigado!

    Depois passem pelo meu a confirmar a troca, para eu também adicionar o vosso blogue aos meus links.

    ResponderExcluir