sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

SEXTA RODADA DA TAÇA GUANABARA 2009

Mesquita 4 x 2 Macaé – Mesquita
Bangu 2 x 0 Volta Redonda – Moça Bonita
Vasco 0 x 0 Cabofriense – São Januário
Flamengo 2 x 2 Boavista – Maracanã
Duque de Caxias 1 x 1 Madureira - Duque de Caxias
Tigres 1 x 3 Resende – Xerém
Americano 1 x 2 Fluminense – Campos
Friburguense 1 x 5 Botafogo - Friburgo

Olá amigos do FUTEBOLA!

Penúltima rodada da primeira fase da Taça Guanabara e, como era de se esperar, completamente nada definido no grupo A. Em dois jogos mais do que dramáticos, o Vasco não garantiu sua classificação e o Fluminense se colocou na briga. Pelo grupo B, o Flamengo conseguiu um pontinho que o garante, momentaneamente, na liderança e o Botafogo, com uma bela goleada, ainda briga pelo primeiro lugar. Vamos destacar então o que ocorreu nesta importante rodada do Campeonato Carioca de 2009.

MANDOU BEM!

- O setor de criação do Vasco deu um show contra o Cabofriense. A dupla de laterais Paulo Sérgio e Ramón, junto com o meia Carlos Alberto, criaram aproximadamente 15 chances de gols para sua equipe. Se o time não soube transformar essas chances em gols, é um outro problema, que digamos é um problemão, porém, é melhor criar as oportunidades de gols e desperdiçá-las, do que não criá-las. Não será esta a primeira vez que elogio os três citados jogadores. Paulo Sérgio, que se destaca nas bolas paradas, tem chegado muito bem ao ataque, também, com a bola rolando. Alterna momentos em que vai, literalmente, até a linha de fundo, com jogadas onde o cruzamento sai mais de trás. Ramón tem mostrado um fôlego impressionante, levando vantagem na maioria das vezes que aposta corrida com seus marcadores. Além fazer belas jogadas ofensivas, também trabalha defensivamente, mas, seu grande teste na marcação, ainda não ocorreu. Vamos ficar de olho para ver como ele irá se sair contra os laterais-direito Léo Moura ( Flamengo ) ou Alessandro ( Botafogo ), por exemplo. Carlos Alberto, definitivamente, está com vontade de jogar bola. Dentro de campo, ele permanece penando com as inúmeras faltas sofridas, que sempre o atormentaram. Quando não é parado com infração, tem conseguido criar boas jogadas e, está aparecendo para o jogo durante todo o tempo.

- Se o maior problema do Vasco, em seu jogo, foram as conclusões, o Botafogo nem de longe sofreu deste mal contra o Friburguense. Até marcar o seu quinto gol, o time de General Severiano havia criado exatas 5 chances de gols. Nenhuma oportunidade criada pelo time havia sido desperdiçada. O nome do jogo foi Maicosuel, que foi muito bem auxiliado por Fahel, com dois belos gols de cabeça e, Reinaldo, com boa movimentação e um gol de oportunismo. Maicosuel, entretanto, estava impossível. Toda vez que ele pegava na bola uma jogada de gol era preparada. Córner batido por ele e gol de Fahel. Pênalti sofrido por ele e gol dele mesmo. Outro córner batido por ele e outro gol de Fahel. Mais um gol de Maicosuel após entrar costurando na área adversária. E por último, fez a jogada mais linda da noite ao, pelo lado da área, entortar o marcador e dar linda assistência para Reinaldo. Mesmo com sua infantil expulsão após este show, esta foi uma das grandes atuações individuais do torneio até o momento.

- Dois jogadores dos considerados times “pequenos”, uma vez mais atuaram de maneira destacada contra os “grandes”. O atacante Tony do Boavista, havia feito um partidaço, enfrentando o Botafogo, na estréia do campeonato. Contra o Flamengo, nesta rodada, mesmo sem ter uma atuação espetacular, participou diretamente dos dois gols da sua equipe e mostrou qualidade com a bola nos pés. O goleiro Flávio, do Cabofriense, havia fechado o gol, na vitória do seu time sobre o Fluminense, na primeira rodada do torneio. Contra o Vasco nesta quarta-feira, uma vez mais foi responsável por um resultado positivo da sua equipe, com uma grande atuação e inúmeras defesas. Se continuar assim, é favorito ao posto de melhor goleiro do Cariocão.

MANDOU MAL!

- Não sou contra, em casos de partidas tranquilas, o treinador decidir poupar alguns jogadores, entretanto, vejamos o exemplo do Flamengo. Já classificado para a próxima fase da Taça Guanabara, Cuca decidiu fazer, contra o Boavista, experiências na equipe e, colocou em campo, nada menos do que 6 reservas. Aí sim deixo de concordar com o treinador. Como observar a atuação de um jogador em uma equipe que nunca atuou junta? Será que em alguma situação ao longo do ano, Cuca precisará contar com aqueles 11 jogadores em campo? O que acrescentou à preparação da equipe, entrar em campo com o time misto? Cuca deveria se importar com situações que podem ocorrer ao longo da temporada, como por exemplo Léo Moura ser suspenso ou Marcelinho Paraíba não poder atuar. Que colocasse em campo apenas Éverton Silva e Jônatas, e mantivesse os outros 9 titulares. Trocar meio time não. O resultado de seu teste foi um Flamengo completamente sem criatividade, levando perigo, na maioria das vezes, em bolas alçadas para a área adversária.

- Se fosse eu Dorival Júnior, os atacantes do Vasco ganhariam, no nínimo, um mês de treinamentos intensivos de chutes ao gol. É inconcebível o setor de criação proporcionar ao time mais de uma dezena de oportunidades de gols, como foi contra o Cabofriense, e o placar terminar em branco. Élton, Faioli e Rodrigo Pimpão perderam tantos gols, que alguns torcedores devem ter sentido falta de Alan Kardec, que está longe de ser a solução para este problema vascaíno. É fato que os outros jogadores, que não os atacantes, também tiveram chances, porém, a crítica maior deve ser sobre os chamados homens-gol. Esquecendo este problema no tribunal, que acredito em nada resultará, o Vasco deixou de ganhar preciosos pontos e não pode nem pensar em perder seu jogo, contra o Madureira, na próxima rodada.

- Não é de hoje que o Botafogo vem recebendo muitos cartões em suas partidas. No duelo contra o Friburguense, um jogo que se desenhou fácil, o alvi-negro recebeu 6 cartões amarelos e um vermelho, sendo alguns destes, aplicados após o placar apontar 5 a 1 para o Fogão. Este comportamento da equipe merece urgentemente um sermão do treinador Ney Franco, pois já acarreta em sérios problemas. Com o jogo decidido, em um momento de total despreparo, Maicosuel, que vinha fazendo uma apresentação espetacular, perdeu a cabeça e agrediu o defensor adversário sendo expulso de campo. Esta expulsão não somente manchou sua atuação como o tirou do clássico de domingo, contra o Flamengo, que valerá a liderança do grupo.

- Vejam vocês a situação. Ao comentar a quinta rodada, critiquei, e muito, a atitude do Bangu de, após fazer um gol, pensar somente em se defender. Por ser um time fraco tecnicamente é até possível entender a atitude do time alvi-rubro. O Fluminense, porém, se utilizar deste recurso é uma incompetência das grandes. Contra o Duque de Caxias, pela 4ª rodada, o tricolor levou uma virada após estar vencendo por 2 a 0, justamente por esta atitude. Nesta rodada, contra o Americano, o mesmo quase ocorreu. Após abrir o marcador, a equipe treinada por René Simões se fechou em seu campo e desistiu totalmente do ataque. Em uma surtada do goleiro Fernando Henrique, que fez um pênalti tolo, o time de Campos empatou a partida. O Fluminense, nos últimos 5 minutos do jogo, decidiu fazer o que não fez em todo o 2º tempo, ou seja, atacar. Por sorte, numa jogada fortuita, Fernando Henrique ( isso mesmo, o goleiro ) sofreu um pênalti e garantiu os 3 pontos para o time das Laranjeiras. Existem várias maneiras de segurar um resultado, e o Fluminense não pode utilizar a pior delas.

ENQUANTO ISSO NA INGLATERRA...

- Jogando praticamente em casa, já que o Emirates Stadium é o palco que mais recebe a Seleção Brasileira atualmente, a equipe do técnico Dunga realizou uma boa apresentação. No 1º tempo, o Brasil soube trocar bons passes, valorizou a posse de bola e envolveu a marcação italiana. Ainda senti falta dos laterais brasileiros avançando. Maicon e Marcelo, apesar da boa atuação, poderiam ser mais agressivos. O resultado desta falta de jogadas pelas laterais, foi a fraca atuação de Adriano, que pouquíssimas vezes recebeu a bola. Ainda não me entra na cabeça, jogadores como Marcelo, Gilberto Silva, Felipe Melo e Elano estarem na seleção, porém, desta vez, eles estão de parabéns pela boa atuação. A 2ª etapa da partida, aí sim, teve cara de amistoso. Muitas substituições e o Brasil tocando a bola sem nenhuma objetividade. A Itália ainda tentou explorar a entrada de Luca Toni, mas Júlio César mostrou toda sua qualidade. A ausência da dupla Del Piero e Totti mostrou que, além de deixar a "Azzurra" mais fraca ofensivamente, a deixa mais sem graça.

Um comentário:

  1. FABIANO DE ALENCAR DA CONCEIÇÃO15 de fevereiro de 2009 10:28

    Diano velho de guerra!!!!!!

    O Vasco por infantilidade da diretoria pode ficar fora das finais da Taça Guanabara, por estar acostumados com o jeitinho das "Euricadas" de manipular a federação, porém o time do Vasco não merecia essa punição poi está jogando bem só teve azar de perder vários gols.

    O Flamengo está cometendo o mesmo erro que o Fluminense cometeu ano passado de poupar o time inteiro, por causa disso quase perdeu para o fraco Boavista.

    Esse goleiro do Fluminense, Fernando Henrique, tem "diarreia mental". Antes dele dar um soco no jogador do Americano ele fez uma pose para fazer uma defesa quando o atacante do americano tentou o encobrir, quase se machucou devido a isso e depois fezz tudo que todo viu. Como esse lance do FH foi mais comentado na imprensa esportiva, o Tiago Neves voltou a jogar bola foi o melhor em campo disparado.

    Incrível que pareça gostei da Seleção do Dunga até do Roanldinho Gaúcho, Mas a Seleção da Itália sem Del Piero e Totti é um time de pelada.

    ResponderExcluir