quinta-feira, 4 de novembro de 2010

CAMPEONATO BRASILEIRO 2010 - 33ª RODADA

Goiás 0 X 2 Grêmio
Santos 1 X 1 Vitória
Internacional 0 X 0 Fluminense
Botafogo 3 X 2 Atlético-GO1
Guarani 0 X 0 Atlético-MG
Corinthians 4 X 0 Avaí
Cruzeiro 0 X 2 São Paulo
Ceará 2 X 2 Flamengo

Quinta-feira, 04 de novembro

Vasco X Prudente
Atlético-PR X Palmeiras

Internacional 0 x 0 Fluminense – Beira-Rio, Porto Alegre (RS)

Com uma atuação excepcional do goleiro Ricardo Berna – quem diria?! – o Fluminense segurou o empate com o Internacional e manteve-se na liderança do Brasileirão por mais uma rodada.

O bom público presente no Beira-Rio, escalação da equipe titular “do goleiro ao ponta-esquerda”, como diriam os antigos, e uma cabeçada do Alecasandro que o Diguinho salvou em cima da linha após córner cobrado pelo D’Alessandro logo no início, foram suficientes para o torcedor do Fluminense esquecer a idéia de que o Internacional está com a cabeça no Mundial. Muito pelo contrário. Pelo futebol apresentado durante os 90 minutos, o Internacional mostrou seriedade e concentração de quem realmente está –será que continuará assim após esse empate? – buscando o título do Brasileiro. Principalmente o argentino D’Alessandro, que comandou as ações ofensivas do Colorado na 1ª etapa e se movimentou por todos os setores de ataque, não se concentrando apenas na meia-esquerda, sua posição na prancheta tática. Por sinal, foram dos pés do argentino que surgiram as três primeiras chances de o Inter abrir o placar, todas elas com a bola parada. Além da já citada cabeçada do Alecsandro, tiveram uma do Indío e outra do Alecsandro, respectivamente aos 18 e 31 minutos, e ambas muito perigosas. Mas entre essas oportunidades coloradas o Fluminense não ficou apenas se defendendo, apesar de também não ter apresentado uma postura ofensiva de quem está a apenas cinco jogos de um título. Uma furada do Washington em subida do Mariano, um arremate fraco do Conca e um chute longo do Fernando Bob foram os lances dignos de nota produzidos pelo Flu. Resumo da ópera: Nos primeiros 30 minutos de partida – 33, para ser mais exato – as chances de balançar as redes até foram iguais, porém a postura do Internacional, até por jogar em casa, foi mais agressiva. Um ponto que mostra a maior presença do Inter no campo de ataque, neste 1º tempo, foi a atuação do tricolor Leandro Euzébio, que se em minha opinião está longe de ser o melhor zagueiro do país, como afirmou Muricy Ramalho, esteve em uma noite muito segura.

Quando o relógio marcava 40 minutos e parecia que nada mais iria ocorrer até o intervalo, o Internacional conseguiu se impor de maneira avassaladora e chegou bem perto de sacudir o filó em quatro oportunidades, começando aí a transformar o goleiro Ricardo Berna no melhor homem em campo. Primeiro Giuliano encontrou Rafael Sóbis no meio da defesa tricolor e o atacante arrematou para defesa de Berna. No rebote, Alecsandro carimbou a trave. Poucos minutos depois, Berna voltou a trabalhar duas vezes, em chute longo do Giualiano e com uma espetacular defesa em finalização do mesmo Giuliano, dentro da pequena área após tabelinha com o Sóbis. Se o Ricardo Berna apresentar atuações deste nível o Fluminense ganhará um importante “reforço” para esta reta final do Brasileiro. Antes do apito que encerrou a etapa inicial o Flu ainda obrigaria o goleiro colorado Renan a realizar boa defesa em outra subida do lateral Mariano. Não tem como negar que a opção do Muricy Ramalho por abandonar a formação tática com três zagueiros retirou muito da liberdade ofensiva do Mariano, contudo o lateral-direito ainda é uma das melhores armas de ataque do Flu. Neste jogo, por exemplo, participou de duas boas tramas ofensivas, enquanto o meia-direita Tartá, que estava ali para auxiliar o próprio Mariano, nada fez em 90 minutos, estando longe de justificar sua escalção.

Após o intervalo, o duelo voltou bem mais frio do que os minutos finais do 1º tempo. E o “culpado” por esse banho de água fria no jogo foi o Fluminense, que, a cada minuto que passava, mostrava estar muito satisfeito com o empate. E além dessa satisfação com o empate, temos também a grande falta de criatividade apresentada pelo meio-campo tricolor, que sem ter o Conca em uma noite inspirada para carregar a equipe encontrou enormes dificuldades para superar o sistema defensivo colorado, diga-se de passagem, muito faltoso, principalmente os volantes Guiñazu e Wilson Matias. Na primeira metade do 2º tempo, um chute cruzado do Marquinhos, após lindo toque de letra do Alecsandro e que terminou em mais uma defesa do Berna, e, agora pelo lado do Flu, uma cabeçada do Leandro Euzébio após bola cruzada pelo Conca que obrigou o goleiro Renan a se esticar todo, foram as tramas ofensivas de maior sucesso. Já na metade final da etapa, a satisfação do Fluminense com o empate se escancarou de vez e a equipe decidiu por abdicar o ataque por completo. O resultado foi um Internacional postado quase que por inteiro no campo de ataque e mais trabalho para Ricardo Berna. Se a defesa na cabeçada do Leandro Damião, aos 24 minutos, foi tranquila, a que realizou aos 33, em cobrança de falta do Andrezinho, foi sensacional. E se não defendeu a nova finalização do Leandro Damião, que recebeu a redonda na área após falha do zagueiro Gum, Berna contou com a sorte ao ver o atacante chutar cruzado para fora.

O apito final fez a torcida tricolor, presente no estádio ou não, soltar todo o ar que prendeu durante praticamente os 90 minutos de jogo. Nada anormal se pensarmos que qualquer jogo com caráter decisivo deve mesmo ser emocionante, porém completamente anormal se analisarmos a postura retraída adotada pelo Fluminese. É bom o Muricy Ramalho rever esse conceito, pois o Tricolor não pode se comportar dessa mesma maneira diante do São Paulo e do Palmeiras, os dois jogos fora de casa que faltam para a equipe. Além do mais, se o Flu ainda é o líder do torneio, o Corinthians voltou a encostar e o Botafogo está chegando cada vez mais perto.

Um comentário:

  1. FOGOOOOOOOOOOOOOOOOO!

    Ainda bem que eu fui no jogo.. hsahsahshahshas!

    ResponderExcluir