sábado, 16 de maio de 2009

FIGURINHA CARIMBADA - ROBERTO COSTA



Nome: Roberto Costa Cabral

Data de nascimento: 8 de dezembro de 1954

Posição: goleiro

Seleção Brasileira – 1 jogo e 2 gols sofridos*

Clubes:

Santos (1973 a 1976)
Criciúma (1976 a 1977)
Atlético – PR (1978 a 1981, 1982 a 1983 e 1986 a 1987)
Coritiba (1981)
Vasco (1983 a 1985)
Internacional (1985)
América – SP (1986)
Noroeste – SP (1988)
Esportivo – MG (1988)
Flamengo – MG (1989)
Taguatinga – DF (1989)
Caldense (1990)

Títulos:

Campeonato Paranaense – 1982 e 1983 – Atlético Paranaense
Campeonato Brasiliense – 1989 – Taguatinga

Destaques:

- César Sampaio, Toninho Cerezo, Zico e Falcão são jogadores de meio-campo, craques consagrados do futebol nacional, e atuaram em Copas do Mundo pela Seleção Brasileira. E o que o goleiro Roberto Costa tem em comum com eles? São os únicos jogadores a conquistarem dois prêmios Bola de Ouro, dado pela revista Placar ao melhor jogador do Campeonato Brasileiro em cada ano. O primeiro deles o “Mão de Anjo” ganhou após espetacular campanha com o Atlético Paranaense no Brasileiro de 1983, enquanto o segundo veio com o Vasco Vice-Campeão Brasileiro de 1984.

- No início dos anos 80, Roberto fez parte de um dos maiores esquadrões do Atlético Paranaense em todos os tempos. A equipe rubro-negra contava com um ataque que viria a fazer história no Brasil: Washington e Assis, o famoso casal 20.

Após conquistar o Paranaense de 1982, o Furacão fez uma campanha sensacional no Brasileirão de 1983. Apesar de vitórias importantes como as contra Grêmio, América-RJ e o rival Colorado, nos três primeiros turnos, o Rubro-Negro Paranaense só atingiu o status de destaque do torneio na fase de quartas-de-final. Nesta, Roberto Costa começou a se consagrar como um dos grandes goleiros da história do futebol brasileiro. O adversário era o São Paulo, e o primeiro jogo, realizado em Curitiba, terminou com uma importante vitória rubro-negra por 2 a 1. Era uma boa vantagem para o jogo de volta, mas o São Paulo precisaria apenas de uma vitória mínima no Morumbi. Com Careca em seu ataque, o São Paulo tinha uma força e tanto, mas contra o "Mão de Anjo" em seu melhor dia, a missão tricolor se tornou impossível. Mesmo diante da enorme pressão são-paulina, Roberto não deixou passar sequer um gomo da bola por entre suas mãos. Um gol de Assis, aos 30 minutos do segundo tempo, fechou o caixão tricolor e selou a classificação atleticana.

No primeiro jogo da fase semi-final, o time paranaense sentiu o peso de enfrentar o Flamengo, já Campeão do Mundo, em um Maracanã com 110 mil torcedores, e, com mais uma atuação de gala de Zico,  os cariocas venceram por 3 a 0. Uma derrota dessas desanimou o torcedor atleticano e a equipe entrou cabisbaixa para o jogo de volta, certo? Errado! Completamente errado! Mais de 65 mil torcedores lotaram o Couto Pereira - maior público da história do estádio - e o Atlético, que precisava repetir a diferença de 3 gols imposta pelo Flamengo no jogo de ida, fez um primeiro tempo magnífico, abrindo 2 a 0 no placar com dois gols de Washington. No segundo tempo, o Flamengo se defendeu com unhas e dentes, e o Atlético, apesar de não conseguir a classificação, saiu de campo sob infinitos aplausos.

Após imenso destaque obtido nos jogos contra São Paulo e Flamengo, Roberto foi eleito pela conceituada revista Placar como o melhor jogador do campeonato. Convenhamos que ser eleito o número 1 em um campeonato que contou com Zico, Careca, Sócrates e Roberto Dinamite, só para citar alguns dos nossos craques, não era pouca coisa.

- O sucesso no Atlético Paranaense levou Roberto Costa ao Vasco da Gama, que contava com o letal Roberto Dinamite. O time vascaíno era muito ofensivo, tendo marcado 51 gols ao longo do Brasileiro de 1984, no qual nenhuma outra equipe ultrapassou os 40 tentos marcados. E tem mais! Os dois artilheiros do torneio foram cruzmaltinos: Dinamite, com 16 gols, e Arthurzinho, com 14. Para um time mostrar esta capacidade ofensiva, só mesmo confiando muito na sua defesa. E o Vasco podia contar sempre com o “Mão de Anjo”. Apesar de derrotado na final para o Fluminense, esta equipe vascaína ficou marcada pelo belo futebol que jogava. E Roberto Costa, por receber sua segunda Bola de Ouro.

4 comentários:

  1. Ae. Serio mesmo. Melhor parte do blog é essa. Muito foda. Ta de parabéns meu chapa. Infelizmente não tenho tempo pra comentar direito todos esses, mas leio sempre que posso.
    Feitiço é muito foda.. hahaha
    valeu brow

    ResponderExcluir
  2. Anderson Chichoski28 de junho de 2009 11:30

    hj trabalho com o ROBERTO COSTA aki em Foz do Iguaçu,ele é um poço de humildade e camaradagem. Parabens!

    ResponderExcluir
  3. Conheci o Roberto no Hotel Rafain, um cara espetacular...continua sabendo tudo sobre o futebol. Abraços, Fernando S.A.

    ResponderExcluir
  4. WELLITON WASHINGTON3 de fevereiro de 2012 21:14

    CARA JOGUEI COM ROBERTO COSTA EM PASSOS MG NO ESPORTIVO ELE É ESPETACULAR EU O OBSERVAVA PARA APRENDER UM POUCO COM ELE E APRENDI É CLARO UM ABRÇ A TODOS E QUE SAUDADES DAQUELA EPOCA "WEELLITON WASHINGTON DE SANTO ANTONIO DO MONTE MG"ONDE ANDA O ROBERTO????

    ResponderExcluir